‘Dez dias sem dormir’, diz Tite cinco meses após o sofrimento da Copa do Mundo

Na sala da Tite na sede da CBF, o quadro não tem mais os desenhos táticos de março. Agora, há frases conceituais e lembretes sobre estágios a alcançar. Na mesa, ao lado de um compêndio italiano de táticas defensivas, repousa o livro “Espiritualidade para corajosos”, do filósofo pernambucano Luiz Felipe Pondé. Foi aí que o técnico de 57 anos recebeu o EXTRA numa quinta-feira para relembrar o passado recente e contar seu projeto para a seleção que quer comandar até a Copa do Mundo do Qatar, em 2022.

Como você encontrou o Neymar pós-Copa?

Ele recuperou a plenitude física e técnica. A velocidade de raciocínio e de execução dele são impressionantes. Em que percentual ele estava na Copa? Não sei, mas tinha feito cinco jogos. Mas posso falar uma coisa que ele disse pra mim: “Se eu tô bem na Copa do Mundo, eu decido o jogo com a Bélgica”.

Eu falei que fiquei dez dias sem dormir direito, talvez 12, 14. Dia sim, dia não eu acordava com o gol do empate. Ele falou que por uma semana não saiu de casa, não queria ver ninguém.

Mudamos três vezes de sistema no jogo, primeiro para o 4-4-2, depois com Renato Augusto eu pedi pro Neymar abrir de novo pelo lado esquerdo no 4-3-3, porque o lateral direito deles não aguentava mais estava babando. Eu gritava na beira do campo: “Só quero uma boa pro Neymar”. Ele começou a ir pra dentro, até que ele dá uma bola pro Coutinho que é o lance que me fez acordar três vezes já. Com mais jogos, a evolução dele o faria estar ainda melhor.

Por que fazê-lo capitão?

Para dar apoio e responsabilidade. Ele disse “Pode contar comigo que sei da minha responsabilidade”. Na hora do desempenho alto ele não precisa de mim. Ele precisa no momento difícil. Mas você disse a ele o que precisa melhorar? Sim. Quer dizer para nós? Não. É uma coisa íntima. Digo que ele é uma liderança técnica que também pode ser líder comportamental. E cresceu neste sentido, melhorou na relação com vocês (imprensa). Ele se expôs mais. Eu disse: “Mostra seu lado humano com mais frequência.” É um lado que nós conhecemos.

Quantas vezes você reviu o Brasil 1×2 Bélgica?

Três vezes por completo. E vi todos os outros jogos das fases de mata-mata. Em algumas situações você reforça convicções ou muda de opinião. Algumas chances não sabia que eram tão claras. O pênalti no Neymar, que ele caracteriza [ exagera na reação ] demais, mas está corrigindo. O pênalti no Jesus. Mas não quis falar disso.

A França fez mudanças importantes em seu estilo com a Copa em andamento. O Mundial te ensinou que, apesar da importância do projeto, por vezes é preciso fazer ajustes rápidos?

A França mudou os dois laterais no último jogo antes da Copa. A estrutura tática, com duas linhas de quatro, recuando Mbappé, também modificou. O tempo dele (Deschamps) com o grupo, perdendo a Eurocopa em casa, ajudou. Podem dizer que estou fazendo a analogia porque serve para mim. Sim: ele teve tempo, com alguns ajustes e algumas mentiras. Viralizou uma palestra em que ele reclamava com o time por ter corrido menos do que a Austrália. A média de corrida das seleções foi de 104km por jogo. A França correu 100km em média. Continuou correndo menos, mas ganhou. A França marcou da linha do meio-campo para trás, não pressionava no tiro de meta. Se eu estivesse com a França não seria campeão. Um time precisa saber jogar de todas as formas. Me incomoda não propor jogo, não pressionar na frente ao perder a bola. Não é uma ideia que eu goste. Só que um time quando chega à final e ganha, mostra verdadeiramente como joga. A França foi cirúrgica, mortal contra a Croácia. Não assisti à final ao vivo, estava machucado. Quando vi, disse: “Não acredito!”

Qual era o seu sentimento?

De chegar numa semifinal. De que aquele jogo com a Bélgica poderia dar um up. Times campeões muitas vezes vão crescendo, consolidando. Retomar o melhor padrão com Neymar crescendo. Crescer com jogadores, uns três estavam sendo irregulares. Talvez uma substituição, talvez fosse jogar Fernandinho com Casemiro com a Bélgica. Mas aí eu não tinha Casemiro.

Fernandinho vai voltar?

Queria que o primeiro convocado pós-Copa fosse ele. Para mostrar que ninguém iria cortar cabeças. Não fiz para preservar sua imagem pública. Há um lado podre, racista, depreciativo, de que tenho vergonha: são as mídias sociais, onde atrás do anonimato atacam esposa, mãe, por ser negro. Não vou me curvar. Numa preleção para o time, eu disse que tinha chamado uma parte do grupo da Copa em cada convocação e que na seguinte viriam os que estavam faltando, e que o Fernandinho seria chamado. Ele ficou sabendo lá em Manchester. Chamei os companheiros dele de time, Ederson, Danilo e Gabriel para saber quem avisou. Os três confirmaram. Eu falei: “Pode ir treinar, era pra avisar mesmo.”

Você quer preservar os jogadores da Copa, mas muitos não chegarão ao Qatar. Você se preparou para o momento de descartá-los?

Sou fiel até a página 2. Sabe qual é a página 2? Desempenho. Se o do Richarlison for superior ao do Willian, é o Richarlison. Se o do Cebolinha (Éverton, do Grêmio) for superior ao do Douglas Costa, vai o Cebolinha. Se Allan for mais do que Paulinho, é Allan. E pode haver situações eventuais. Vai que se firma alguém, o Rodrygo (do Santos). Mas o Rodrygo precisa amadurecer fisicamente, porque ele tem futebol na cabeça. As tomadas de decisão dele são incríveis.

E Vinícius Júnior?

Se desenvolver a lucidez da jogada combinada que tem o Rodrygo, pqp…

Preocupa estes jovens saírem cedo e jogarem poucos minutos na Europa?

Eles perdem, mas ganham na metodologia de treino de alto nível, convivência com jogadores de alto nível.

Para você, Paquetá joga na posição do Coutinho?

Sim, ele é um meia mais avançado. Não é meia de alternar movimentos mais atrás para deixar um meia mais solto à frente.

Acha que ficou muito exposto elos comerciais antes da Copa?

Fiquei. Embora tivesse gravado bem antes, tenho consciência disso. Gravei numa folga, entre dezembro e janeiro. Mas não faria de novo, porque fica veiculando o tempo todo, enche o saco do pessoal. E recusei muitos. Durante a recuperação da lesão, fui na casa do Neymar e falei que era hora de 100% de foco. E ele negou comercial em que ganharia R$ 7 milhões. O dinheiro não o moveu, tem para três ou quatro gerações. Falo isso para dimensionar como ele é.

06/12/2018

(Visited 3 times, 1 visits today)