Júri condena acusado de matar companheira a 21 anos de reclusão

O Tribunal do Júri da 7ª Vara Criminal de Maceió condenou, nesta segunda-feira (26), o réu Expedito Paulino a 21 anos de prisão pela morte de Ana Lúcia Faustino da Silva, ocorrida em janeiro de 2015. O júri popular foi presidido pelo magistrado Sóstenes Alex Costa de Andrade.

Expedito Paulino deverá cumprir a pena em regime inicialmente fechado, sem poder recorrer em liberdade.

O juiz Sóstenes Alex destacou o grau de reprovabilidade do crime. “A vítima era companheira do réu e possuía uma relação de intimidade, afetividade e confiança com ele, mas foi assassinada e o corpo permaneceu trancado dentro do imóvel onde o réu residia até que a polícia localizasse o cadáver através de denúncia”, diz a sentença.

Segundo a denúncia, o crime ocorreu na casa do acusado, após uma discussão do casal, por volta das 16h. Expedito teria efetuado disparos de arma de fogo contra Ana Lúcia e fugido do local, trancando a porta de onde morava.

Somente meia-noite, a polícia teria recebido uma denúncia anônima afirmando que havia uma pessoa morta na casa de Expedito. Após encontrarem o corpo de Ana Lúcia, a polícia conseguiu o telefone do réu, que se comprometeu a ir até a delegacia com seu advogado no dia seguinte, mas não compareceu.

Consta ainda na denúncia que o réu era extremamente ciumento com sua companheira, o que teria provocado diversas brigas entre o casal e que Expedito já tinha afirmado diversas vezes que iria matá-la. Ana Lúcia já tinha feito boletim de ocorrência contra Expedito por sequestro e cárcere privado.

O julgamento fez parte dos processos pautados para o Mês do Júri em Alagoas, força-tarefa coordenada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ascom – 27/11/2018

(Visited 3 times, 1 visits today)