Brasil precisa reduzir consumo de carne, diz estudo

Com um consumo de 140 calorias de carne por pessoa diariamente, o Brasil é o maior consumidor deste tipo de alimento do mundo e precisará reduzir a ingestão da proteína drasticamente para evitar uma crise alimentar e uma catástrofe climática, apontou um estudo divulgado nesta quarta-feira (5).

Segundo o relatório do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), cerca de 2 bilhões de pessoas nos países do mundo que consumem grandes quantidades de carne – que, além do Brasil, incluem Rússia e Estados Unidos – precisam cortar seu consumo em 40% em relação ao ano de 2010.

O WRI analisou especificamente o consumo de carne de ruminantes, que além da bovina, inclui a de ovinos e caprinos. O estudo indica que o consumo ideal seria 1,5 vez por semana, em média, e destaca que metade da população mundial ingere mais proteína do que o necessário, diz o Terra.

A redução recomendada é menor que a indicada em estudos anteriores, porém, considerada realista pelos autores do estudo, que preveem que o mundo precisará de 50% mais alimentos em 2050 para nutrir uma população mundial estipulada em 10 bilhões de habitantes, 3 bilhões a mais do que hoje. Ao mesmo tempo, para conter as mudanças climáticas, as emissões de gases do efeito estufa na agricultura precisarão diminuir em dois terços.

Diante desse cenário, o WRI aponta que o aumento na produção de alimentos não pode causar uma expansão das áreas agrícolas e nem a destruição de florestas. Atualmente, metade de todas as áreas não construídas no mundo já é usada pelo setor agrícola, que emite um terço de todos os gases que provocam o efeito estufa.

Para evitar uma crise alimentar e o aquecimento global, o relatório afirma que será necessário aumentar a produtividade por hectare, cortar o consumo de carne e acabar com o desperdício de alimentos, que atinge um terço de toda a produção.

“Precisamos mudar a forma como produzimos e consumimos alimentos, não somente por questões ambientais, mas porque isso é uma questão existencial para o ser humano”, destacou Janet Ranganathan, vice-presidente do WRI.

O estudo também destaca a importância de aumentar a produtividade agrícola e, ao mesmo tempo, proteger florestas e ecossistemas e cita o Brasil como exemplo em política de concessão de crédito para a agricultura relacionada à proteção do meio ambiente.

Além do aumento da produtividade, o relatório recomenda o reflorestamento de regiões de baixo potencial agrícola, como o Brasil tem feito na Mata Atlântica.

O relatório do WRI, chamado Criando um Futuro Alimentar Sustentável, foi lançado na Conferência do Clima da ONU (COP-24) em Katowice, na Polônia.

06/12/2018

(Visited 6 times, 1 visits today)